A instalação de um sistema de energia solar fotovoltaica deve ser enxergada como um projeto de investimento. Para empresas, de modo geral, o conceito de projeto de investimento é bem difundido, porém quando se trata de um sistema residencial, muitas vezes encontra-se certa dificuldade para se analisar a instalação de um sistema fotovoltaico da maneira apropriada.

Por definição, um projeto de investimento é uma proposta de ação que, a partir da utilização dos recursos disponíveis, considera possível obter lucros. Estes benefícios, que possuem riscos atrelados, podem ser obtidos a curto, médio ou longo prazo.

Todo projeto de investimento tem um objetivo, no caso do sistema fotovoltaico, geralmente esse objetivo é a obtenção de lucro através da redução de custos. Para atingir esse objetivo abre-se mão de um recurso hoje (investimento) a fim de se obter resultados futuros (retorno).

Desta forma, para se tomar a decisão pela instalação ou não de um sistema fotovoltaico é importante compreender alguns conceitos financeiros a fim de comparar diversas alternativas de investimento e escolher a que trará o melhor retorno dentro de um determinado perfil de investimento. Iremos discutir a seguir alguns desses conceitos e, no final abordaremos cada um desses conceitos em um estudo de caso.

Taxa mínima de atratividade (TMA)

É uma taxa de remuneração mínima de um projeto para que ele se torne viável do ponto de vista do investidor. A definição dessa taxa é pessoal e, geralmente, reflete a remuneração obtida com um investimento alternativo de perfil de risco semelhante.

Alguns critérios que podem ser usados para definir essa taxa são:

– Um projeto de investimento concorrente: Para pessoas físicas pode ser adotada a taxa de remuneração obtida em um investimento financeiro ao qual esse cliente tenha acesso, p.e: Poupança, CDB, Títulos do tesouro, etc. Já para empresas deve-se comparar com a TIR estimada para outros projetos de investimento disponíveis.

– Taxa de inflação: A inflação pode ser usada como TMA. Assume-se nesse caso que, alternativamente ao investimento no sistema fotovoltaico esse consumidor manteria seu dinheiro parado, perdendo valor com a inflação.

– Tolerância ao risco: Quanto maior o risco de um investimento adota-se uma TMA maior. Isso faz com que um projeto de elevado risco só se mostre viável quando apresenta um potencial de retorno igualmente elevado.

Valor Presente Líquido (VPL)

O VPL é um dos indicadores mais utilizados para se analisar a viabilidade de projetos de investimento. Ele representa o valor presente de um fluxo de caixa, com lançamentos positivos e/ou negativos, descontados a uma taxa de juros apropriada.

Para se entender o VPL é importante compreender que o dinheiro possui valor no tempo. Isso quer dizer que R$ 1.000 hoje mais do que R$ 1.000 daqui a um ano, uma vez que, se os R$ 1.000 fossem investidos hoje, daqui a 1 ano teríamos R$ 1.000 + retorno do investimento em um ano.

Desta forma, para se obter o VPL deve-se construir o fluxo caixa, demonstrando cada entrada e cada saída em cada período de tempo do projeto. Após a construção do fluxo de caixa, calcula-se o valor presente descontando-se, pelo período de tempo apropriado, a TMA de cada uma dessas entradas e saídas. Um VPL positivo indica que, do ponto de vista financeiro, o projeto é viável. Por outro lado, VPL nulo não faz diferença investir ou não, enquanto VPL negativo o projeto não é viável.

A equação para se calcular o valor presente é:

i = taxa de desconto (normalmente a TMA)

n = período de tempo

Taxa Interna de Retorno (TIR)

A taxa interna de retorno (TIR) representa a taxa de desconto que, quando aplicada ao fluxo de caixa do projeto, obtêm-se um VPL igual a zero. Obter um VPL igual a zero significa que realizar aquele investimento ou não, do ponto de vista financeiro, não faz diferença.

Para estudar a viabilidade de um projeto utiliza-se a TIR comparada com a TMA. Isso quer dizer que uma TIR maior que a TMA indica a viabilidade do projeto. Já a TIR menor do que a TMA o projeto não é viável.

A equação para se calcular a TIR é:

n = período de tempo

Payback (Tempo de Retorno do Investimento)

Representa o tempo necessário para os retornos de um investimento cobrirem o capital investido. Apesar de ser o indicador de cálculo e interpretação mais simples, não é o indicador mais apropriado para se estudar a viabilidade de um sistema de energia fotovoltaica. Isso porque sua análise não considera o valor do dinheiro no tempo. Outro ponto crucial são as várias incertezas existentes, como variação da tarifa energética e incidência solar, o que distorce bastante o resultado desse indicador.

Para se calcular o payback utiliza-se:

Alternativamente pode-se usar o Payback descontado, considerando o valor do dinheiro no tempo. O Payback descontado apresenta como desvantagens o cálculo mais complexo e a variabilidade do resultado em função das premissas adotadas. Para entender melhor acesse este link.

Corresponde ao período de tempo necessário para se obter um VPL igual a zero utilizando a TMA como taxa de desconto.

Análise de sensibilidade

Calcular cada um dos indicadores apresentados é relativamente simples, a complexidade da análise de viabilidade financeira de um projeto de energia solar fotovoltaica reside na definição das premissas assumidas. Dentre as incertezas estão:

1.       O investimento inicial do projeto;

2.       Os custos de operação e manutenção;

3.       O ciclo de vida do projeto;

4.       A quantidade de energia gerada pelo sistema;

5.       Os valores das tarifas de energia no futuro;

6.       O modelo tarifário no futuro;

7.       Os incentivos fiscais;

8.       A taxa mínima de atratividade utilizada.

Cada uma dessas incertezas impacta nos resultados dos indicadores de viabilidade, por isso, para um estudo bem feito, a análise de sensibilidade é crucial.

Essa análise consiste em calcular esses indicadores em cenários prováveis diversos, a fim de se entender como cada uma dessas premissas assumidas impacta na viabilidade do sistema.

Nem tudo são finanças

É importante lembrar que, por mais que a viabilidade financeira seja, geralmente, o ponto central da decisão pela implantação de um sistema fotovoltaico,ela não é o único fator. Algumas pessoas adotam sistemas de energia solar por estética, simbolismo, política, marketing ou consciência ambiental.

Por isso é tão importante conhecer bem o perfil de um cliente antes de elaborar um projeto e entender que sistemas fotovoltaicos não são produtos de prateleira e devem ser customizados às condições e necessidades e cada um.

Estudo de caso

Para esse estudo de caso vamos considerar um sistema fotovoltaico de 137 kWp, para um cliente faturado em baixa tensão (Tarifa de R$ 0,92). Esse cliente possui um consumo médio de 16.401 kWh/mês e o sistema projetado deverá gerar, em média 15.949 kWh/mês. A tabela abaixo apresenta o perfil previsto para esse consumidor no primeiro ano após a instalação do sistema.

MêsConsumoGeraçãoConta sem o sistemaConta com o sistemaManutençãoResultado
Janeiro15.65817.186R$14.405,36R$92,00R$187,50R$14.125,86
Fevereiro16.01115.850R$14.730,12R$92,00R$187,50R$14.450,62
Março15.18117.683R$13.966,52R$92,00R$187,50R$13.687,02
Abril16.59915.343R$15.271,08R$92,00R$187,50R$14.991,58
Maio16.85115.358R$15.502,92R$92,00R$187,50R$15.223,42
Junho16.17514.093R$14.881,00R$517,04R$187,50R$14.176,46
Julho15.55115.855R$14.306,92R$92,00R$187,50R$14.027,42
Agosto17.44816.347R$16.052,16R$641,24R$187,50R$15.223,42
Setembro16.53515.044R$15.212,20R$1.371,72R$187,50R$13.652,98
Outubro17.28816.969R$15.904,96R$293,48R$187,50R$15.423,98
Novembro16.61715.607R$15.287,64R$929,20R$187,50R$14.170,94
Dezembro16.89716.051R$15.545,24R$778,32R$187,50R$14.579,42

O investimento estimado para a implantação deste sistema foi de R$ 450.000, sendo que, para pagar a implantação deste sistema o consumidor retiraria este dinheiro de uma aplicação que rende 1,4% a.m., sendo considerada essa a sua TMA. Para um ciclo de vida de 25 anos, a economia total obtida com a geração do sistema será de R$ 4.343.328.

Aplicando-se o cálculo do VPL:

Como o VPL é positivo, esse projeto se mostrou viável financeiramente.

Calculando-se a TIR:

Como a taxa 3,21% a.m. é maior que 1,4% a.m. o projeto se mostrou viável financeiramente.

Por último, calculando-se o Payback:

Sabe-se que esse consumidor irá recuperar o capital investido em 31 meses, ou seja, 2,6 anos após a instalação do sistema.

Essa análise do estudo de caso aponta para um sistema com boa viabilidade financeira. Para aprofundar neste estudo pode-se considerar outras variáveis que irão impactar no resultado dos indicadores apresentados, tais como:

1.       Perda de eficiência do sistema;

2.       Inflação energética;

3.       Inflação geral;

4.       Opções de viabilização com capital de terceiros.

Essas variáveis deverão ser trabalhadas em cenários distintos, podendo impactar positivamente ou negativamente na viabilidade financeira.

Quer saber se é viável implantar um sistema fotovoltaico em sua empresa ou residência? Entre em contato com a SHARENERGY.

Referências:

http://www.administradores.com.br/artigos/tecnologia/projeto-de-investimento-uma-necessidade-para-as-empresas/64004/

https://blog.heatspring.com/finance-101-for-renewable-energy-professionals/

 

Assine nossa newsletter e fique por dentro das notícias sobre a energia solar!