O sistema de bandeiras tarifárias foi iniciado em 2015 e é uma formalização do caráter variável do custo da energia elétrica no Brasil. O fato de termos 70% da matriz dependendo de uma única fonte, a hidrelétrica, não deixa o país em uma posição confortável. As bandeiras indicam as condições de geração de energia no país, sinalizando o custo de geração de energia para o consumidor. Isso acontece quando há poucas chuvas e os reservatórios das usinas hidrelétricas fica com baixo armazenamento. Nesse caso é necessário ligar mais usinas termelétricas, que geram energia mais cara.

A partir de fevereiro de 2016, o sistema passou a ser composto por quatro bandeiras tarifárias: as bandeiras verde, amarela e dois níveis de vermelha. Atualmente, o sistema é válido para todo o país, com exceção do estado de Roraima, que não faz parte do Sistema Interligado Nacional (SIN).

Bandeiras tarifarias

As bandeiras são definidas mensalmente e são informadas na própria conta de luz. Se ela estiver na cor verde, a tarifa não sofre nenhum acréscimo. A bandeira amarela, que até fevereiro deste ano acrescia R$1,50 para cada 100kWh, foi ajustada em R$2,00 para cada 100kWh consumidos no mês. A bandeira vermelha no patamar 1 acresce R$3,00 a cada 100 kWh consumidos e a vermelha patamar 2, que também foi reajustada, acresce R$3,50 a cada 100 kWh (R$4,50 antes do reajuste).

Neste mês de março a bandeira tarifária aplicada foi a amarela. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a previsão de chuvas nos reservatórios das hidrelétricas no mês de março ficou em torno de 70% da média histórica, abaixo da expectativa anterior. A ANEEL divulgou ontem, dia 31 de março, a mudança para bandeira vermelha no mês de abril. Desde novembro as chuvas estão abaixo da média, o que não permitirá uma boa recuperação dos reservatórios até abril, fim do período de chuvas. Outro fator que pode ser responsável pelo aumento da tarifa ao longo do ano seria uma eventual recuperação da economia brasileira, que elevaria a carga.

Considerando o cenário atual, o consumidor atento às alternativas encontra na geração própria de energia uma solução capaz de deixá-lo imune aos aumentos tarifários. A instalação de um sistema de energia solar fotovoltaica em sua residência é uma alternativa que garante uma redução de até 95% na sua conta de luz. A luz do sol é abundante e é transformada em energia elétrica pelo sistema que tem vida útil que ultrapassa 25 anos. Entre em contato com a Sharenergy e solicite seu orçamento.

Assine nossa newsletter e fique por dentro das notícias sobre a energia solar!